Entrevista com Luan Santana: Ele falou Sobre as Dificuldades na Carreira

Entrevista com Luan Santana (Foto: Divulgação/Google/Imagens)

O Sertanejo universitário é um estilo musicar surgido em disso de 1994, vindo originalmente de Goiânia. Ele é uma mistura de vários estilos musicais (e que estilo não é?), combinando a música sertaneja toques de musica brega, batidas do arrocha, alguma coisa de heavy metal (sim, pois muitos de seus músicos advêm desse estilo), e nos últimos tempos, tem combinado uma volta ao “sertanejo raiz” e uma mistura com o funk carioca e de ostentação.  As letras parecem tentar se aproximar de uma mistura da música caipira e do sertanejo românico brega.

De modo geral, esse estilo é composto de canções simples, descontraídas, cujos cantores são originalmente, bastante jovens o que explica a alcunha de “universitário”.  O estilo floresceu, estado presente no Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Paraná, Minas Gerais, Tocantins e Interior de São Paulo.

Rafael Domingos?

Luan Rafael Domingos Santana é um desses cantores que vieram dessa segunda onda do sertanejo universitário. Nascido em 13 de março de 1991 na cidade de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, onde viveu até seus oito anos de idade.

Cigano junto com o sistema bancário

O pequeno Luan mudou várias vezes durante sua infância e adolescência, morando nas cidades de Maringá, Manaus e Ponta Porã, devido as várias  transferências de trabalho a que seu pai estava submetido, visto que , que o mesmo em um banco.

Violão escolar cristão

O jovem Luan desde tenra idade gostava de tocar violão e seu pai, percebendo o talento do filho sempre o incentivou. O menino levava seu violão para a escola onde tocava durante as aulas (?) e nos intervalos. Também chegou a tocar na Igreja que frequentava durante sua estada em Maringá. Mas antes disso, aos três anos de idade já impressionava a família com os precoces e afinados acordes de música sertaneja que costuma cantar sempre.

Talento não diminui as dificuldades

O cantor sempre fala em suas entrevistas que o início de seu foi a parte mais difícil de sua carreira, ganhando prêmios, tropeçando e tentando novamente. Não foi apenas uma vez que o Luan Santana pensou em desistir. Cita que um dos pontos negativos de sua carreira é que ele mesmo se pressiona ao extremo, e isso o deixa bastante devastado às vezes. “De tudo isso que acontece, meus piores monstros estão dentro de mim mesmo", disse certa vez o cantor.

Tomando as rédeas.

O jovem Luan também percebeu que deve tomar as rédeas de seus negócios: sobre a administração de sua carreira ele deixava nas mãos de empresários, mas agora isso mudou, segundo ele: "Eu era um menino, eu deixava as coisas na mão dos outros, dos empresários na época. Hoje, de alguns anos para cá, eu e meu pai estamos tomando as rédeas da situação. É uma responsabilidade muito grande, porque é muito mais coisa para resolver, mas a gente tem o controle nas mãos e é a melhor coisa que eu fiz", disse em entrevista.

Desaparecimento

Em outra entrevista o rapaz disse que a pior parte da fama era a falta de liberdade, pois o público sempre está perto e isso também aumentou a distancia da família e dos amigos.  O tempo para ir a padaria tranquilamente acabou, afirmou certa vez.

Círculo vicioso

A falta de tempo devido à agenda cheia, afeta a própria carreira do cantor que precisa arrumar tempo para compor, sendo que todo período intermediário entre os shows é aproveitado nesse sentido: “No hotel, nas viagens, eu consigo compor, sim”, disse em entrevista.

Amores

E um jovem que canta sobre o amor tem tempo para vivê-lo? Como todos os adolescentes, ele teve um primeiro amor, como muitos, esse primeiro amor o arrasou, como ele mesmo atesta: “Eu era muito apaixonado e quando ela terminou me deu raiva. Acabou comigo, mesmo”.

Vídeos de Luan Santana

https://www.youtube.com/watch?v=mvWXaz0Gtbo

https://www.youtube.com/watch?v=VndDRR2Q6zM

https://www.youtube.com/watch?v=5IXPnPnoYns

https://www.youtube.com/watch?v=Z5pWz_OR5Sg

https://www.youtube.com/watch?v=n-XkzPGxVUw

você pode gostar também Mais do autor

Comentários estão fechados.