Cinema: A Verdade Incalculável do Planeta dos Macacos

O Planeta dos macacos é uma franquia de ficção científica mais velha do que se pensa e demonstra como a fantasia é um braço importante da cultura da sociedade moderna.

Planeta dos Macacos (Foto: Reprodução/ Google/Imagens)

O Planeta Dos Macacos está em cartaz com sua ultima versão, “Planeta dos Macacos: A Guerra”, mas esse conjunto de filmes remonta a muito tempo atrás desde agosto de 1968. Trata-se de uma ficção científica que prega a distopia, ou seja, que tenta entender os impactos prejudiciais dos usos e abusos de nossa ciência e tecnologia no mundo futuro (nesse sentido “Aliens” de Ridley Scott, também tem o mesmo princípio).

O Livro

Inspirada no livro La Planète des Singes (1963) do francês Pierre Boulle, um engenheiro que chegou a atuar como agente secreto da inteligência da França Livre ou França Combatente governo francês criado pelo general Charles de Gaulle em 18 de junho de 1940 e que teve a sua sede em Londres depois que os nazistas ocuparam a França no mesmo ano. Outro de seus livros a ser transformado em filme foi a ficção histórica A Ponte sobre o Rio Kwai que virou filme em 1957.

Um tanto diferente da versão atual de César e sua trupe, o livro Boulle narrava a aterrisagem de astronautas num planeta dominado por macacos inteligentes. Mas uma coisa comum a todas as suas versões, inclusive a de desenhos animados é uma profunda discussão sobre aspectos da política e da sociedade.

Vejamos esses filmes?

Planeta dos Macacos (1968)

Esse primeiro filme foi estrelado por Charlton Heston no papel do protagonista, o astronauta George que aterrissa em um planeta governado por macacos. Para espanto dele e do público nosso astronauta percebe que não viajou no espaço e sim no tempo: o planeta dominado pelos macacos é em verdade uma versão da terra, após a fatídica 3ª Guerra Mundial.

Apesar dessas desventuras ele ainda consegue encontrar amizade entre os símios na figura dos cientistas Zira e Cornelius. Informações incidentais presentes em sua nave espacial, a Ícaro nos mostram que ele deixa a Terra em 1972 e pousa em 3978.

De Volta ao Planeta dos Macacos (1970)

Essa sequência se mostra mais traumática ainda: uma missão de resgate vai atrás da nave Ícaro. Ao chegarem a Terra Símia os astronautas (ou crononautas?) deparam se com um pequeno grupo de humanos com poderes psíquicos (X-Men não estava assim tão distante quanto pensamos) que vivem no subsolo e têm como deus, uma ogiva nuclear. O clímax se dá em uma enorme batalha entre macacos e humanos do subterrâneo que leva a uma nova destruição do mundo.

Apesar do filme se passar logo depois do original, o ano em que ele supostamente acontece é 3955 (talvez apenas um mero erro de continuidade).

Fuga do Planeta dos Macacos (1971)

De maneira bastante criativa essa sequencia mostra Zira e Cornelius, do primeiro filme escapando do apocalipse nuclear do filme anterior e escapam do apocalipse nuclear fazendo uso da Ícaro para viajar de volta no tempo até 1973.

A princípio recebidos como celebridades, porém logo são capturados e torturados para entregarem informações sobre o futuro. Eles têm um filho chamado, veja só, César, que é escondido para poder crescer livre e em segurança. As continuações parecem discutir a partir daí um tema bastante em voga nas décadas de 60 e 70: o racismo norte-americano.

A Conquista do Planeta dos Macacos (1972)

Devido a Zira e Cornelius terem voltado na história essa se alterou drasticamente: depois de passados 20 anos da morte dos pais de César um vírus dizimou a maioria dos cães e gatos na Terra, e os macacos são abraçados como os novos bichos de estimação pelos humanos. Porém essa afeição evolui para a escravidão: perante tão catástrofe César lidera uma rebelião e liberta sua raça.

A Batalha do Planeta dos Macacos (1973)

Um final deveras irônico para essa primeira versão da franquia cinematográfica: espécie de continuação do longo de 1968. Nela um macaco sábio conta para os jovens símios que não devem escravizar os humanos, tidos nessa realidade como meros animais.

Para ensiná-los ele narra os acontecimentos de cerca de 600 anos atrás, ou seja, os acontecimentos de 10 anos depois do filme A Conquista Do Planeta Dos Macacos. Nessa narrativa vemos César tentando ensinar os macacos a conviverem  em relativa harmonia com os humanos.

Série de TV (1974)

Devido ao sucesso no cinema foi feita uma série que não seguia exatamente a linha de tempo dos filmes, mas que parece ambientada em possivelmente antes do filme de 1968 e simultaneamente seguem os eventos de Fuga do Planeta dos Macacos, de 1971.

Centrada em 3085, astronautas pousam na Terra futurista, só que 900 anos antes do personagem de Charlton Heston. Embora não fique bem clara a sequencia desses acontecimentos, parece que as mudanças feitas por César tiveram mais efeitos do que se esperava.

Logo depois temos as novas versões cinematográficas

 Planeta dos Macacos (Remake feito pelo diretor Tim Burton) (2001)

Planeta dos Macacos (Foto: Reprodução/ Google/Imagens)

Estrelado por Mark Wahlberg este remake é inspirado no original de 68. Desta vez, o astronauta sai da Terra em 2029 e viaja até o ano 5021 e segue a linha narrativa do Planeta dos Macacos original com uma importante diferença: o protagonista retorna à Terra de 2001 e para seu espanto ela está dominada por macacos, semelhante ao que acontece no romance de Pierre Boulle.

O Planeta dos Macacos: A Origem (2011) que é um reboot da franquia

O Planeta dos Macacos: A Origem (Foto: Reprodução/ Google/Imagens)

Claramente influenciado pela melhor convivência entre as diferentes raças humanas essa nova versão da franquia explica de forma diferente a ascensão dos macacos, por meio de um vírus que lhes dá capacidades cognitivas mais sofisticadas. Originalmente esse vírus era uma terapia genética, mostrando um novo terror do mundo moderno: o medo de uma pandemia mundial.

César infecta outros macacos com o vírus e promove uma fuga e revolução com seus novos companheiros. Neste filme César tem uma relação bem mais afetiva com os humanos e prefere evitar assassinato.

Planeta dos Macacos: O Confronto (2014)

Planeta dos Macacos: O Confronto (Foto: Reprodução/ Google/Imagens)

Passado 10 anos depois do filme anterior acompanhamos César liderando os macacos e tentando conviver com os humanos.

Aparentemente o vírus que lhes concedeu inteligência veio a extinguir grande parte da humanidade As coisas evoluem para um possível conflito quando sobreviventes humanos e macacos vem a se encontrar e podem devido a desentendimentos e preconceitos mútuos, virem a provocar uma guerra. O que realmente acontece devido às ações de um macaco chamado Koba.

Planeta dos Macacos: A Guerra (2017)

Planeta dos Macacos: A Guerra (Foto: Reprodução/ Google/Imagens)

César se torna um líder em tempo de guerra. Dois anos se passam desde o ultimo filme e a guerra excruciante para ambos os lados. César tenta agir de maneira civilizada e por fim ao confronto, porém um coronel desequilibrado e amargurado quer eliminar os macacos a todo custo.

O final do filme conta com citações ao filme Apocalipse Now (1979) e aos êxodos bíblicos ,talvez uma homenagem a  Charlton Heston, que em 1956 estreou o clássico Os Dez Mandamentos no papel de Moisés, são de uma doçura única.

Um exemplo do bom trabalho do cinema na arte de entreter sem deixar de se posicionar perante seu mundo. Assista e confira.

você pode gostar também Mais do autor

Comentários estão fechados.